terça-feira, 1 de março de 2011

HÁ 76 ANOS MORRIA CHIQUINHA GONZAGA

Chiquinha com 29 anos
PARTE 2
Anos depois, em 1867, reencontrou seu grande amor do passado, um namorado de juventude, o engenheiro JOÃO BATISTA DE CARVALHO, com quem teve uma filha: ALICE MARIA. Viveu muitos anos com ele, mas CHIQUINHA não aceitava suas traições. Separa-se dele, e mais uma vez perde uma filha.

Alice filha do 2º casamento
JOÃO BATISTA não deixou que CHIQUINHA criasse ALICE, ficando com a guarda da filha. Apesar disso tudo, CHIQUINHA foi muito presente na vida de todos os seus quatro filhos, mesmo só criando um deles. Ela sempre estava acompanhando a vida deles e tendo contato.


Ela, então, passa a viver como musicista independente, tocando piano em lojas de instrumentos musicais. Deu aulas de piano para sustentar o filho JOÃO GUALBERTO e mantê-lo junto de si, sofrendo preconceito por criar seu filho sozinho.

Passando a dedicar-se inteiramente a música, onde obteve grande sucesso, sua carreira aumentou e ela ficou muito famosa, tornando-se também compositora de POLCAS, VALSAS, TANGOS E CANÇONETAS. Antes, porém uniu-se a um grupo de músicos de choro, que incluía ainda o compositor JOAQUIM ANTÔNIO DA SILVA CALLADO, apresentando-se em festas.
JOAQUIM ANTÔNIO DA SILVA CALLADO
Aos 52 anos, após muitas décadas sozinha, mas vivendo feliz com os filhos e a música, conheceu JOÃO BATISTA FERNANDES LAGE, um jovem cheio de vida e talentoso aprendiz de musicista, por quem se apaixonou. Ele também se apaixonou perdidamente por essa mulher madura que tinha muito a ensinar-lhe sobre música e sobre a vida. A diferença de idade era muito grande e causaria mais preconceito e sofrimento na vida de CHIQUINHA, caso alguém soubesse do namoro.



Chiquinha com 47 anos
 Ela tinha 52 anos e JOÃO BATISTA, apenas 16. Temendo o preconceito, faz que ela finja que o adotou como filho, para viver esse grande amor.

JOÃO BATISTA FERNANDES LAGE
Esta decisão foi tomada para evitar escândalos em respeito aos filhos e à relação de amor pura que mantinha com JOÃO BATISTA, da qual pouquíssimas pessoas na época entenderiam, além de afetar sua brilhante carreira.

Por essa razão também, CHIQUINHA e JOÃO BATISTA LAGE, ou JOÃOZINHO, como carinhosamente o chamava, mudaram-se para LISBOA, em PORTUGAL, e foram viver felizes morando juntos por alguns anos longe do falatório da gente do RIO DE JANEIRO. Os filhos de CHIQUINHA, no começo, não aceitaram o romance da mãe, mas depois viram com naturalidade.

FERNANDES LAGE aprendeu muito com CHIQUINHA sobre música e a vida. Eles retornaram ao Brasil sem levantar suspeita nenhuma de viverem como marido e mulher. CHIQUINHA nunca assumiu de fato seu romance, tendo sido descoberto após a sua morte, através de cartas e fotos do casal. Ela morreu ao lado de JOÃO BATISTA LAGE, seu grande amigo, parceiro e fiel companheiro, seu grande amor, em 1935, quando começa o carnaval. 

CONTINUA... ATÉ A PRÓXIMA COM A CARREIRA DE CHIQUINHA GONZAGA ÚLTIMA DESTA POSTAGEM




POR JOHNNY RETAMERO

3 comentários:

Sonia Menezes disse...

Maravilhoso ela foi um exemplo de mulher guerreira Chiquinha Gonzaga foi uma diva

Nilamaria disse...

Grande mulher! Foi pioneira, desbravadora.
de caminhos

Cynthia Lachman disse...

Sobre o romance com o Joãozinho, será que seria difícil conseguir fontes as tais cartas ou fotos) que de fato provem o romance?